MAUAENSE PERDE, ESTÁ FORA DO PAULISTA E PENSA NO FUTURO

Locomotiva aguarda final do ano para discutir parcerias

Após derrota para o Fernandópolis por 1 a 0, sábado (01/09), em Fernandópolis, o Grêmio Mauaense está fora da
briga pelo acesso à Série A-3 do Campeonato Paulista. Fim do futebol? Ainda não. Os dirigentes do Mauaense prometem manter o futebol mais vivo do que nunca.

O presidente do Mauaense, Joaquim Antonio Ferreira, declarou, nesta segunda-feira (03/09), que nos próximos dias terá reunião com o presidente do Tigre, o empresário Luís Fernando Teixeira, para discutir a renovação da parceria de 36 meses que acaba em 10 de dezembro. O encontro deve ocorrer nos próximos dez ou 15 dias. Teixeira não foi encontrado pela imprensa para falar do caso, mas já teria comentado a amigos que uma "definição" só ocorreria após as eleições.

Ex-dirigente por vários anos da FPF (Federação Paulista de Futebol) e do Conselho de Árbitros da entidade, o presidente da “Locomotiva” admite que Mauá não pode ficar sem o futebol profissional. “O Mauaense fez um grande campeonato e está saindo de cabeça erguida do Grupo 4, com seis pontos ganhos na segunda fase, após uma boa campanha numa chave com Fernandópolis, Joseense (sub17/18 do clube São José) e Sumaré. Pegamos grupo forte, mas em compensação pudemos revelar valores que passaram por aqui esse ano sob comando do técnico Souza, casos do Igor, Renato, Nunes, Diego, William Alves Joter, Caio e Reis, entre outros”, explica Ferreira, que tem acompanhado de perto o rendimento da equipe.
Salvação  Joaquim Antonio Ferreira, que sempre residiu em São Bernardo, admite que não crê em problema a renovação do vínculo com o Tigre.

O dirigente explica que Mauá não tem a menor chance de “tocar o futebol profissional pelo alto custo financeiro mensal e total descaso de comerciantes e empresários da cidade que poderiam ajudar a administrar o futebol profissional, sem precisar do auxílio do Tigre”. “Graças ao futebol, divulgamos à cidade, reformamos o campo, conseguimos mais sócios para as dependências do Grêmio Mauaense que fica ao lado do estádio, e pudemos gerar oportunidades a jovens que não tinham chances no São Bernardo.
No caso da reforma do contrato, queremos trazer para o estádio Pedro Benedetti mais uma escolinha de futebol do “Projeto Tigrinho” e os melhores são passados ao Bernô. Cada jogo nesta Segunda Divisão significa cerca de R$ 2.700 por partida, com custo de bilheteiros, um ou dois seguranças, INSS, ronda da polícia militar, seis gandulas, médico, enfermeiros, ambulância e sem contar que não precisamos pagar, nesta divisão, o trio de arbitragem e nem viagens que ficam por conta da FPF”, diz Joaquim. 

O time base que disputa a Segunda Divisão, do técnico Souza, tem atuado com Nunes; Felipe, Igor e Paulo César; Floriano, Weslley, Jorter, Diego (Julinho) e William Alves; Reis e Caio (William).

Por: Edélcio Cândido  (edelcio@abcdmaior.com.br)

Share on Google Plus

Sobre Breno Junior

Lado a Lado com o esporte do Grande ABC. Amante e entusiasta do Esporte no interior do ABCDM.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial