CAD GANHA CLÁSSICO DE VIRADA

Água Santa sai na frente, mas CAD consegue gol da vitória no final do jogo

Sem exageros, o Estádio do Inamar, em Diadema, foi cenário de uma batalha épica entre o Clube Atlético Diadema e o Água Santa. Em disputa frenética pela
segunda rodada da primeira fase do campeonato paulista da segunda divisão, que terminou em 3 a 2 para o CAD, o já clássico da regional deixou muito jogo de grandes times do ABCD no chinelo com a capacidade de cinco mil pessoas preenchida até o talo e com centenas que ficaram para fora.
Com a Polícia Militar assegurando os portões de entrada e contendo os ânimos das torcidas, o Água Santa concentrou a maior parte do público a seu favor, deixando apenas uma fatia dos assentos para o CAD. Os torcedores do Água Santa estavam uniformizados de azul e branco, com bateria e bandeirão do time. Para completar, projetavam as frustrações da vida no adversário e no juiz com xingamentos corrosivos de repertório vasto.
O primeiro tempo teve poucas faltas e foi fluído. Aos 16 minutos, o Água Santa teve sua primeira alegria. O meia Lucas aproveitou uma sobra na entrada da grande área e de primeira balançou a rede. Porém, aos 22 minutos, o atacante Willians deixou tudo igual depois de um cruzamento na área que ele desviou com a cabeça.
Em meio ao coro de “Juiz, vai tomar no c#” e hinos ensaiados da entusiasta torcida aquática, o CAD ainda assim virou o jogo dez minutos depois com o zagueiro Eriel. Depois de uma cobrança de escanteio que o próprio desviou para o gol.
Se o clima já estava acirrado até o momento, o ritmo da partida intensificou-se em dobro aos 35 minutos por causa do gol feito por outro zagueiro. Cícero do Água Santa, que desviou uma bola de cabeça após cobrança de falta. O empate seria resultado providencial para manter o equilíbrio da plateia e o clima amistoso. Mas os times queriam brigar pela vitória. Entretanto, depois do intervalo com presença ilustre do grupo de pagode Katinguelê – que executou um pocket show com direito a playback – as coisas arrefeceram um pouco.
Grande virada
Apesar de imperar em campo, atacando e conduzindo a partida no campo do adversário, o CAD errou muitos passes e não se encontrava nas finalizações. Após predominar por 30 minutos no segundo tempo, a equipe sentiu o cansaço dando a brecha para o Água Santa reagir e reverter a pressão.
Ironicamente, aos 44 minutos, o atacante Marcos do CAD recebeu cartão amarelo pelo melhor motivo. Depois de driblar a zaga pela ala direita, ele marcou o quinto gol do jogo e tirou a camisa para comemorar como se não houvesse amanhã. Então ao recomeçar a partida, no centro do campo, começou o espetáculo do Teatro da Tetra.
Houve empurrões, encenações de agressão por ambas as partes e a polícia interviu para abrir o tempo e impedir uma mini guerra literal. Até o atacante Anderson do CAD foi expulso por fazer corpo mole e simular contusão em campo. A partir de então a torcida do Água Santa berrava “Olelê Olalá, quero ver sair do Inamar” e “Uh, vai morrer” para desestabilizar a moral do CAD e assim encerrou-se mais um belo e disputadíssimo clássico.
Oliude – Um fato curioso foi citado na cabine de narração e imprensa por um dos comentaristas de rádio da partida: a origem do nome do diretor do time Água Santa. Conhecido pela alcunha de Capitão, o dirigente teria sido batizado de Oliude pela mãe porque ela gostava muito do logo de propaganda da marca de cigarros Hollywood e transferiu o nome para o filho numa versão tupiniquim.
Laje – As lajes da rua Apóstolo João se transformaram em área VIP para testemunhas o combate futebolístico. Do alto da casa em que vive desde 1997, Geraldo Timóteo pode apreciar a competição sem o aperto da arquibancada, uma vez que as casas do logradouro mencionado fazem divisa com o campo.
- Está gostando da partida, Seu Geraldo?
- Ah, não muito, sou evangélico.
- Mas o local é privilegiado. Não vê os jogos sempre?
- De vez em quando. É. O lugar é bom. Estava pensando até em cobrar daqui para frente. Se eu enfiar dez pessoas aqui em cima dá para ganhar uns R$ 100.
Ficha Técnica
Água Santa 2 x 3 Diadema
Água Santa: Allyson; Rafael, Cícero, Rafael Brito e Júlio (Fábio); Evison (Assolan), Sigmar, Lucas Limão (Marcelinho) e Ricardo Souza; Josué e Rafael Martins.
Técnico: Márcio Ribeiro.
Clube Atlético Diadema: Cleber Diego; Kaio, Everton, Lucas Pires e Thiago; Danilo, Lucas Martins, Diogo e Natan (Guilherme); Willian (Marcos Vinícius) e Anderson.
Técnico: Ataliba.
Árbitro: Marco Antonio de Oliveira Sá;
Assistentes: Luiz Quirino da Costa e Givanildo Oliveira Félix;
Quarto Árbitro: Edson Carpeggiani de Almeida;
Local: Estádio Distrital do Inamar, em Diadema;
Data: Sábado, dia 04, às 15h.
Gols: Água Santa: Lucas Limão, 16’ 1T; Cícero, 32’ 1T. CA Diadema: Willian, 22’ 1T; Everton, 30’ 1T; Marcos, 43’ 2T.
Cartões Amarelos: Água Santa: Evison e Marcelo. CA Diadema: Everton e Marcos.
Cartão Vermelho: CA Diadema: Anderson.
Próximos jogos
Água Santa x AA Portuguesa – 11/mai – 15h00 – Estádio Distrital do Inamar.
Jabaquara x CA Diadema – 12/mai – 10h00 – Estádio Espanha, em Santos.


Share on Google Plus

Sobre Breno Junior

Lado a Lado com o esporte do Grande ABC. Amante e entusiasta do Esporte no interior do ABCDM.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial