Com gol de artilheiro, Azulão ‘cala’ Inamar, vence clássico e volta à zona do acesso

São Caetano saiu perdendo, mas virou o jogo no segundo tempo com Diogo Acosta e Tiago Resende
 
Com um gol do artilheiro Diogo Acosta, que chegou aos seu 11º tento na Série A-2, o São Caetano venceu o
Água Santa por 2 a 1, de virada, na tarde desta quarta-feira (08/04), no estádio do Inamar, em Diadema, pela 15ª rodada da competição. Foi o primeiro clássico entre as equipes na história do futebol e já valeu muito.
Mesmo com grande presença da torcida do Netuno, que saiu na frente do placar com um gol de Francisco Alex, de pênalti, ainda no primeiro tempo, o Azulão melhorou no segundo tempo e construiu a vitória com gols de Diogo Acosta e Tiago Resende, que entrou na etapa final.
Com o resultado, o São Caetano chegou aos 29 pontos e voltou a figurar dentro do G-4, o grupo do acesso, enquanto o Água Santa permaneceu com 26, na sexta colocação.
O jogo - O São Caetano começou melhor o clássico, trocando mais passes no meio de campo e com maior domínio territorial na partida. Postado novamente no 4-4-2, o Azulão, porém, sofria com a lentidão dos seus meias Xuxa e Neto e pouco ameaçou a zaga adversária.
Por isso, a melhor jogada no campo de ataque dos visitantes no primeiro tempo foi em um chute de fora da área de Eduardo Luiz aos 32 minutos, quando o goleiro Dheimison fez bela defesa, espalmando a bola para escanteio.
Já o Água Santa, mesmo jogando mais recuado, foi mais perigoso nos contra-ataques, sempre criados pelos lados do campo. Aos 16, o lateral Jonathan recebeu passe na direita, cortou a marcação e chutou para importante intervenção do goleiro Saulo.
E, em nova descida rápida, os donos da casa chegaram ao gol antes do intervalo. Aos 37, Esley derrubou Guina dentro da área e o árbitro marcou a penalidade. Na sequência, Francisco Alex cobrou e fez 1 a 0.
No segundo tempo, o técnico Luis Carlos Martins voltou com Tiago Resende no lugar de Moacir e o São Caetano teve mais presença ofensiva no segundo tempo.
Com isso, os visitantes rondaram a grande área com maior frequência e conseguiram a virada no placar.
Aos 12, após cobrança de escanteio de Xuxa, o artilheiro Diogo Acosta subiu sozinho e, de cabeça, empatou o jogo. Depois, aos 39, após cruzamento rasteiro para a área do Netuno, Tiago Resende se aproveitou de falha da zaga e decretou os 2 a 1.  
Márcio Ribeiro se recusa a jogar a toalha
A derrota para o São Caetano deixou um ar de desânimo no Água Santa, mas a ordem é não abaixar a cabeça. Com 26 pontos e mais quatro jogos pela frente, o Netuno pode chegar aos 38 pontos, o que seria suficiente para o acesso.
“Fizemos um jogo difícil, contra uma grande equipe e em duas falhas individuais tomamos a virada. Faz parte do futebol, mas ainda só dependemos de nós mesmos. Claro que se tivéssemos ao menos empatado, a situação seria mais confortável. Agora, colocamos também o São Caetano na briga, já que nos ultrapassou. Temos uma decisão contra o Rio Branco”, analisou o técnico Márcio Ribeiro, lembrando da partida deste sábado (11/04), novamente no estádio do Inamar.
Segundo o treinador, o momento é de concentração total para reencontrar o caminho das vitórias. “Tivemos resultados importantes fora de casa e agora precisamos nos acertar para voltar a vencer. Vamos para o tudo ou nada. Temos um grupo com qualidade para atingir este objetivo.”
Na mesma toada, o atacante Rafael Martins também confia na força do elenco. “Nosso time tem qualidade e podemos conquistar as vitórias que faltam. Vamos pegar algumas equipes que estão abaixo na tabela”, analisou.
Vencedores comemoram atuações como visitante
Se o São Caetano está, a quatro rodadas do término da Série A-2 do Paulista, com boas chances matemáticas de conquistar o acesso para a elite do futebol estadual do ano que vem, é graças às suas atuações fora de casa na competição.
Com a vitória no estádio do Inamar, em Diadema, o Azulão chegou aos 29 pontos na tabela, 19 deles obtidos longe do Anacleto Campanella, contra somente dez pontos somados em seus domínios.
“O nosso retrospecto fora de casa é melhor porque temos mais espaços. Quando nós jogamos dentro de casa, tentamos sair para os contra-ataques, mas não conseguimos. Então, temos de forçar mais”, apontou o atacante Diogo Acosta, autor do primeiro gol do time no clássico.
Foi o sexto resultado positivo que a equipe do técnico Luis Carlos Martins obtém em oito partidas longe de São Caetano. Além disso, conquistou um empate e apenas uma derrota.
“Quando jogamos em casa, as outras equipes jogam muito fechadas, dificulta um pouco o nosso futebol. Precisamos arrumar alguma forma de sair dessa marcação, pois agora restam quatro jogos, quatro decisões, e queremos este acesso”, completou o meia Xuxa.  

Fonte:  http://abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=65746
 
 
Share on Google Plus

Sobre Breno Junior

Lado a Lado com o esporte do Grande ABC. Amante e entusiasta do Esporte no interior do ABCDM.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial